quinta-feira, 26 de março de 2009

Era uma vez...

Em uma ilha muito, muito, mas muito distante mesmo, duas crianças, que foram criadas pelos seus pais longe de toda a civilização. Elas eram muito felizes, por mais difícil que isso seja de acreditar, eles não sentiam falta da cidade,na verdade, eles nem sabiam como a cidade era direito. Tinham tudo o que uma criança precisa para ser feliz: brinquedos, mas esses eram feitos de matéria-prima que a ilha podia oferecer; uma boa educação, dada pelos próprios pais(esses que sabiam,exatamente, como era a cidade, por isso afastaram os filhos dessa realidade). Mas, eu tenho certeza que você deve estar se perguntando: Como os pais faziam para manter financeiramente a família ? Ora, eu lhe respondo com uma pergunta: como acontecia antigamente, quando não existia nenhuma forma de tecnologia, nenhuma máquina, não existia dinheiro? Então, loucos ? com certeza os pais não eram, mas eles tinham um plano para os seus filhos;queriam que essas crianças tivessem uma visão do mundo, diferente das crianças que eram criadas no meio de tanta discórdia e futilidade.
Essas crianças cresceram, fizeram 18 anos, e, colocando em prática o plano dos pais, foram para a civilização, tentar entrar na universidade, o que não foi muito difícil, pois, para eles, nos anos em que viveram na ilha, estudar também era uma diversão, e não podiam pensar o contrário, porque não tinha ninguém por perto dizendo isso...(continuando) eles foram para a cidade, lá se formaram, encontraram um emprego e, se tornaram ótimos profissionais. Conheceram pessoas, se apaixonaram, sofreram por causa da paixão, fizeram amigos, amigos de verdade, compraram computadores, celulares, tudo o que, durante muito tempo, eles não tiveram...e nem sentiram falta...mas, agora, pareciam que necessitavam de tudo, e isso acontecia, pelo simples fato de todo mundo ter.
Passaram alguns anos, os dois,agora, adultos, resolveram voltar para a ilha que haviam deixado, mas voltavam com a sua família, e deixavam para trás uma vida, que para muitos, era considerada perfeita,pois pertenciam à classe média alta da sociedade. Porém, esses dois adultos, apesar de terem usado todos esses materiais,durante os anos que viveram na cidade, eles conheciam,também, a vida fora da cidade...aonde eles foram crianças de verdade, brincavam sem se preocupar com nada, estudavam, e não estavam bitolados à máquinas....
Ao voltar à ilha, depois de muito tempo, os dois adultos,no começo sentiram muita falta de todas as facilidades que tinham na cidade, mas eles logo se adaptaram a velha vida que levavam...porém, de uma coisa eles sentiam falta: do amor, da amizade, dos amigos que tinham feito, dos laços que tinham criado com pessoas que, no ínicio, eram desconhecidos, e passaram a ter um grande valor. Eles, então, entenderam qual era o plano que seus pais tinham em mente.. queriam mostrar aos seus filhos que a vida é muito mais do que máquinas, roupas, cosméticos, vai além de todas as coisas materias, essas que,para muitas pessoas, muitas vezes acabam tendo significado muito maior do que o amor, a amizade, cumplicidade.... e, na vida, o que, realmente importa são as coisas não materiais como uma amizade, um amor, paixão, felicidade, essas que podem ser adquiridas da forma mais simples, muito mais simples do que podemos imaginar. O ser humano é que gosta de sofrer por antecipação, se preocupar com pouca coisa, quando, na vida, o que realmente importa são as coisas simples, que muitas vezes estão muito perto de nós, mas perdemos tempo nos preocupando com assuntos que são "mais importantes", até que um dia acordamos para a realidade e vemos o que realmente importa, mas, já é tarde demais. Mas eu tenho certeza que ninguém gosta de estar atrasado, principalmente quando compromisso que nós temos é a nossa vida, então: vamos acordaaaaar. :)

Armandinho - Sentimento


2 comentários:

ANONIMATO disse...

não sou só uma amiga!

Louis. disse...

ah, eu n sei quem é não :(

Seguidores